A HISTÓRIA DE NAAMÃ

A HISTÓRIA DE NAAMÃ: O HERÓI LEPROSO

Compartilhe este estudo bíblico

 O QUE VEREMOS NA HISTÓRIA DE NAAMÃ

 

Na história de Naamã veremos a demonstração da providência de Deus, bem como seu poder e graça que mudou a vida de uma pessoa pecadora e que adorava outros deuses. Também veremos, por meio da História de Naamã, que a salvação de Deus não está restrita ao povo de Israel, mas a todos que crerem em seu nome. Vamos, portanto, começar nosso estudo lendo o seguinte texto:

 

TEXTO: 2º REIS 5:1-14

 

Naamã era um homem sírio pertencente ao exército mais temido da época em que viveu o profeta Eliseu. Ele era o capitão do exército da Síria, que eram os arameus de Damasco, que foram por muitos anos foram os inimigos mais perigosos de Israel. Naamã era tremendamente respeitado por todos. Muito do que conquistou o exército sírio era atribuído aos feitos de Naamã.

 

Por causa das vitórias, se tornou um herói para seu povo. Era sempre muito admirado e reconhecido, não só pelo povo sírio, como também por outras nações daquela região. Imagino que muitos jovens aspirantes a soldados se espelhavam nele. Além disso, as crianças, certamente gostariam de ser como Naamã, quando crescessem.

 

Só que tinha um detalhe muito importante que deve ser destacado na história de Naamã. Ele era leproso. Sua pele era repleta de manchas e feridas causadas por essa doença. Creio que quando ele adentrava em seu quarto, toda sua glória e reconhecimento de herói se sucumbiam às imagens vistas no espelho. Um grande homem, cheio de poder era um frágil indivíduo diante da lepra. Com certeza isso o deixava frustrado e abatido.

 

Em uma certa ocasião, a criada que vivia cativa em sua residência, escrava vinda de Samaria disse uma coisa que o fez pensar na possibilidade de ele conquistar a vitória na batalha que ainda não havia ganhado, a luta contra a lepra. Sua escrava disse que em sua terra havia um profeta que seria capaz de curar a lepra que tanto causava temor a Naamã.

 

Então, Naamã, não pensou duas vezes. Foi até seu rei e lhe contou sobre a intenção de ir até Israel para ser curado. O rei o liberou e o concedeu uma carta de recomendação direcionada ao rei de Israel para que este o recebesse e atendesse o pedido do capitão. Além disso, Naamã levou 10 talentos de prata, 6 mil ciclos de ouro e 10 mudas de roupas festivas como presentes para o rei de Israel.

 

Abrindo um parêntese na história de Naamã, podemos refletir sobre uma questão. Existem pessoas que não sabem onde ficam o lugar da bênção. Muitos não conseguem abrir seus olhos espirituais para enxergarem o momento, o local ou a pessoa certa para tratar de assuntos sobrenaturais.

 

No caso de Naamã, ele achou que o ideal seria buscar a bênção no palácio real, pois lá era o lugar mais importante e onde teria a pessoa mais poderosa de Israel. Precisamos compreender que Deus usa as coisas mais simples e as pessoas que aparentemente são menos importantes.

1 Coríntios 1:27: Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes.

Com a chegada de Naamã e sua explicação acerca do que ele almejava, o rei de Israel, após ler a carta do rei da Síria, rasgou suas vestes por causa do pedido de Naamã. Ele dizia: “por acaso sou Deus com poder de tirar ou dar a vida, para que enviem um homem para eu curar sua lepra?”

 

O rei acreditava que Naamã estava procurando pretexto para romper contra ele. Por certo, havia algum tratado de paz entre as duas nações naquela época e o rei ficou temeroso diante deste pedido que era impossível de ser atendido por ele.

 

Creio que esse assunto causou muito falatório entre os israelitas, tanto que chegou até os ouvidos do profeta Eliseu. Ele mandou uma mensagem para o rei que dizendo que não precisaria ficar desesperado: “por que rasgas tuas vestes? Manda o capitão vir até mim e verás que tem profeta em Israel”.

 

Foi, então, que Naamã e sua comitiva partiram a caminho da casa de Eliseu. Ao chegar à porta da casa do profeta, Naamã foi recepcionado pelo mensageiro. Este deu o recado dado por Eliseu de que Naamã necessitaria ir ao Rio Jordão. Ele precisaria mergulhar por sete vezes para ser curado de sua lepra.

 

Naamã, porém, se indignou porque acreditava que o profeta Eliseu sairia de sua casa o receberia, faria orações a Deus e tocaria em suas lepras para que ele fosse curado. Além disso, desprezou o Rio Jordão, alegando que as águas dos rios de Damasco, como Abana e Farfar teriam águas muito melhores. Por isso, partiu em retirada.

 

No entanto, seus oficiais chegaram a ele e disseram que se tivesse sido designado uma tarefa bem mais difícil ele a faria, então por que não atenderia o pedido do profeta que era tão simples de se fazer?

 

É interessante frisar que na história de Naamã observamos situações tais quais ocorrem em nossas vidas. Nós, assim como Naamã, temos dificuldade de compreender o agir de Deus. Nós só queremos que as coisas sejam do nosso jeito. Não podemos esquecer que a vontade do Senhor é boa, perfeita e agradável (Romanos 12:2).

 

É importante destacar que o simples fato de estar mergulhando no Rio Jordão não seria o motivo pelo qual ocorreria a cura. Eliseu estava querendo que Naamã se tornasse mais humilde e obediente. Sem falar que sem interferência humana, não teria como o capitão atribuir a cura a qualquer um que não fosse Deus.

 

Não só os sírios como os israelitas sabiam que aquelas águas do Rio Jordão não seriam capazes de curar a lepra, do contrário, naquela época, todos os que tinham essa doença estariam curados. Naamã precisava compreender que a cura seria um milagre divino, mediada pela palavra de Eliseu.

O pedido de Eliseu era: “lava-te e ficarás purificado”. Essa expressão pode ser atribuída profeticamente ao Senhor Jesus, que por meio de seu sangue remidor seríamos purificados.

 

1 João 1:7: Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.

Assim, então, desceu Naamã sete vezes em mergulho no Rio Jordão. Imaginado a incredulidade do capitão, acredito que nos primeiros mergulhos ele já estivesse indignado por não estar ocorrendo nada, as lepras ainda visíveis talvez o deixassem frustrado.

 

A questão aqui é a obediência e perseverança. Se Naamã não fosse até o fim com essa tarefa, nada iria mudar mesmo. Isso vale para todos nós. Precisamos ser crentes diante das adversidades, crendo que nosso trabalho não será vão se perseverarmos até o final.

 

1 Coríntios 15:58: Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.

Mateus 24:13: Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.

Depois do último mergulho no Rio Jordão, Naamã viu o resultado que ele tanto almejava. Sua lepra havia desaparecido e ele tinha sido curado. A bíblia fala que sua pele ficou tão limpa como a de uma criança. Quando Deus faz é perfeito, Ele restitui com o melhor. Glórias a Deus!

 

Depois de curado, Naamã retorna a casa de Eliseu e reconhece que não existe Deus se não o de Israel. Ele oferece todos os presentes que trouxe, mas Eliseu não os recebeu, pois o verdadeiro servo não cobra pelas coisas de Deus.

 

Já pensou se cobrar pelo milagre fosse certo? Assim os pobres e necessitados não teriam a possibilidade de serem curados. Sem falar que Eliseu achava injusto cobrar por aquilo que Deus fez. Jesus ensinou isso aos discípulos, mas me parece que alguns que se dizem homens de Deus não compreenderam isso.

 

Mateus 10:8: Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.

Sendo assim, precisamos compreender que somos portadores da verdade de Cristo e não mercenários do evangelho, que muitas vezes proferem mentiras para enganar os filhos de Deus.

 

2 Coríntios 2:17: Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.

 

Naamã, compreendeu a questão de Eliseu e pediu que ele o deixasse levar uma porção da terra daquele lugar para que ele pudesse organizar um local de adoração para o Deus de Israel, já que as terras estrangeiras serviam de locais de adoração para ídolos e por isso eram impuras. O capitão alegou que a partir daquele momento, não faria sacrifício para nenhum outro deus.

Ele também pediu para que Eliseu o perdoasse porque deveria obedecer ao seu rei e acompanhá-lo quando este fosse adorar no templo do Deus Riomom (ou Hadade) que era o “deus” amorreu das chuvas e das tormentas. O profeta compreendeu e o despediu em paz.

 

Esse caso de Naamã era semelhante ao dos escravos novos convertidos ao cristianismo, que deveriam seguir seus senhores nos rituais de deuses pagãos. O que vale neste caso é a consciência de que só existe um Deus e um mediador entre Deus e os homens.

1 Timóteo 2:5: Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.

Com a história de Naamã poderemos destacar uma outra coisa impressionante. Existiam muitos leprosos em Israel, mas um estrangeiro foi curado de forma milagrosa. Talvez o maior milagre não tenha sido sua cura, mas, sim, sua conversão. Ele passou a crer no Deus verdadeiro e abandonou suas práticas pagãs.

 

A cura de Naamã, mesmo com muito leprosos em Israel mostra que o povo de Deus era e ainda é desobediente. O próprio Jesus falou sobre isso.

 

Lucas 4:27: E muitos leprosos havia em Israel no tempo do profeta Eliseu, e nenhum deles foi purificado, senão Naamã, o siro.

CONCLUSÃO

 

A história de Naamã nos mostra que o agir de Deus não tem limites, ele realiza cura, restaura transforma as vidas de quem ele quiser. É importante apenas compreender que é necessário que tenhamos a humildade de reconhecer que o milagre vem do Senhor e que independentemente do que for designado a nós, precisamos fazer sem questionar, tendo fé que o milagre vai acontecer.

 

Espero que este estudo sobre a história de Naamã tenha sido de grande valia para sua vida espiritual. Que Deus te abençoe!

 

Para mais estudos como o da história de Naamã, acesse a home de nosso site, aqui.  

2 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *