a história de Salomão

A HISTÓRIA DE SALOMÃO

Compartilhe este estudo bíblico

O QUE VEREMOS NO ESTUDO SOBRE A HISTÓRIA DE SALOMÃO

 

No estudo sobre a história de Salomão examinaremos a vida de um dos maiores e mais emblemáticos personagens da bíblica. Veremos suas características, seus feitos, sua relação com Deus, seus erros e acertos e o que podemos aprender com sua trajetória.  O texto base do nosso estudo se encontra em: 1 REIS 3:3-28

 

ORIGEM E ASCENSÃO DE SALOMÃO AO TRONO

 

Por mais importante que tenha sido o rei Salomão, não vemos menção de sua existência antes dos dias finais do rei Davi. Depois que é mencionado pela primeira vez, passa a aparecer por mais de 300 vezes no Antigo Testamento e mais 12 vezes no Novo Testamento.

 

Como sabemos, o rei Salomão era filho de Davi com Bate-Seba, ex-mulher de Urias. Seu nome significava “pacífico”.

 

2 Samuel 12:24: Então consolou Davi a Bate-Seba, sua mulher, e entrou a ela, e se deitou com ela, e ela deu à luz um filho, e deu-lhe o nome de Salomão; e o Senhor o amou.

 

Também era chamado de “Jedidias”, cujo significado é: amado pelo Senhor.

 

2 Samuel 12:25: E enviou pela mão do profeta Natã, dando-lhe o nome de Jedidias, por amor ao Senhor.

Salomão foi o segundo filho de Bate-Seba, já que o primeiro morreu. Dos filhos de Davi, ele foi o quarto. Por esse motivo, muitos achavam que Salomão não deveria ser o herdeiro do trono.

 

Antes da morte de Davi ocorreram embates para a tomada do seu trono. Essa disputa ocorria dentro da própria casa do rei, ou seja, os irmãos de Salomão almejavam o trono. Absalão foi o primeiro a reivindicar, depois Adonias.

 

2 Samuel 15:6: E desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo; assim furtava Absalão o coração dos homens de Israel.

1 Reis 1:5: Então Adonias, filho de Hagite, se levantou, dizendo: Eu reinarei. E preparou carros, e cavaleiros, e cinqüenta homens, que corressem adiante dele.

A ameaça direta ao reinado de Salomão partiu de seu irmão Adonias. Este obteve apoio de Joabe, que tinha sido general de Davi. Adonias já tinha tanta convicção de que iria tomar o trono de Davi que até festa de posse, organizou. Os aliados de Salomão, porém, lembraram da promessa que o rei fizera a seu filho Salomão, de que este iria ser seu sucessor no trono de Israel.

 

1 Crônicas 22:9,10: Eis que o filho que te nascer será homem de repouso; porque repouso lhe hei de dar de todos os seus inimigos ao redor; portanto, Salomão será o seu nome, e paz e descanso darei a Israel nos seus dias. Ele edificará uma casa ao meu nome, e me será por filho, e eu lhe serei por pai, e confirmarei o trono de seu reino sobre Israel, para sempre.

Foi então que Davi deu ordens para que seu trono fosse dado à Salomão, que depois de ser ungido por Zadoque, passou a ser o novo rei.

 

1 Reis 1:34: E Zadoque, o sacerdote, com Natã, o profeta, ali o ungirão rei sobre Israel; então tocareis a trombeta, e direis: Viva o rei Salomão!

O REINADO DE SALOMÃO

 

Salomão começou a reinar com a idade de aproximadamente 20 anos (entre o período de 971 a 931 a.C). Quando iniciou no trono, levou em consideração as leis de Deus e os ensinamentos de seu pai, o rei Davi. Ele melhorou as condições habitacionais de Israel. Organizou as divisões territoriais, antes divididas pelas 12 tribos, por distritos administrativos que eram de responsabilidade dos oficiais do rei. Nesta organização, cada distrito teria um mês do ano, a responsabilidade de sustentar e suprir a corte.

 

No aspecto militar também ocorreram mudanças e melhorias. Foram introduzidos carros de batalha e as cavalarias. Assim, o exército de Israel ficou bastante fortalecido. Sem falar nas fortalezas que foram construídas nas fronteiras.

 

As atividades de comercio também foram destaque em seu governo. Foram muitos acordos comerciais que lhes renderam muitas riquezas. Além do comércio terrestre, existia o marítimo, com seus barcos que viajavam por vários meses em busca de riquezas. Também existiam as taxas e tributos cobrados das caravanas que atravessavam as estradas do território de Israel, que fizeram com que a receita subisse bastante. Por isso Salomão se tornou o rei mais rico e bem-sucedido de sua época.

 

Essa prosperidade não estava restrita à esfera material. Salomão conseguiu reestabelecer o templo do Senhor. No dia da inauguração, a presença da glória de Deus (shequinah) encheu o templo.

 

2 Crônicas 7:1:E acabando Salomão de orar, desceu o fogo do céu, e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa.

Vale destacar que toda essa prosperidade iniciou quando o Senhor apareceu para Salomão. Isso ocorreu porque, aos olhos do Senhor, Salomão era um homem reto e temente a Deus. Em sua aparição, ocorrida em sonho, Deus disse que ele poderia pedir o que quisesse: Riquezas, terras, carros, fama. Mas, por incrível que parece, Salomão, em sua humildade e reconhecimento de que era pequeno, pediu ao Senhor, que lhe desse sabedoria para reinar seu povo, pois só era rei porque Deus tinha dado essa oportunidade.

 

Esse pedido agradou ao Senhor, que deu a ele sabedoria inimaginável, sem igual, que ninguém jamais teve ou jamais teria na face da terra. Deus ainda o deu riquezas e glórias inimagináveis. Foi então que Salomão começou a julgar o povo com a sabedoria dada por Deus e construiu um império econômico nunca visto antes.

 

A sabedoria de Salomão era tão grandiosa que passou a ser conhecida e reconhecida por todas as nações. Quem não lembra da história das duas mães que brigavam pela guarda de uma criança? Se não fosse pela ideia que o rei teve, de mandar cortar a criança ao meio, para que a verdadeira mãe abdicasse do próprio filho para não o ver morto, ninguém conseguiria desvendar aquele mistério. Essa era a prova de que ele tinha uma sabedoria divina.

 

Em sua sabedoria, compôs diversos cânticos e provérbios que apresentam muita profundidade não só espiritual como de experiencia de vida. Foi por causa desse vasto conhecimento que pessoas de várias nações vinham conhecê-lo pessoalmente. Uma dessas pessoas foi a rainha de Sabá, que veio de muito longe para testificar desta sabedoria. Ela fez muitas perguntas e apresentou vários enigmas que foram todos respondidos pelo rei. Isso a deixou muito impressionada.

 

1 Reis 4:34: E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão, e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria.

Mateus 12:42: A rainha do sul se levantará no dia do juízo com esta geração, e a condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão.

 

O DECLÍNIO DE SALOMÃO

 

Mesmo diante de tanta sabedoria, Salomão errou em alguns pontos e atitudes. Vamos destacar alguns desses erros.

 

Um dos principais está associado justamente ao que fez ele prosperar financeiramente, os acordos com outras nações. Estes permitiram que a idolatria fizesse parte da rotina religiosa do povo de Deus. Os costumes trazidos por outras nações, assim como suas religiões, contaminaram o povo de Deus.

 

Outro grande erro foi tratar o seu povo como escravo. Ele imprimiu um trabalho muito duro e forçado aos israelitas, que tinham a obrigação de manter o palácio, com as riquezas. Além disso, existiam taxas e impostos muito pesados para o povo pagar. Todos deveriam tributar, mesmo quando não tinham condições para isso.

 

Não podemos esquecer da poligamia praticada por Salomão. Este, em seus acordos, casava-se com as mulheres de várias nações para que os laços comerciais e diplomáticos pudessem continuar fortalecidos. Essas várias alianças com nações vizinhas proporcionaram casamentos que prejudicaram seu reinado e sua vida espiritual.  Ele se envolveu com os costumes de suas 1000 mulheres, por isso seu coração se voltou para os cultos pagãos e se tornou rigoroso e impiedoso com seus compatriotas.

 

Eram essas coisas que cada vez mais o afastavam da presença de Deus. Salomão passou a ser egoísta, pensar somente em si e em suas glórias e esqueceu completamente o que é servir, só lembrava de ser servido.

 

Essas atitudes não condiziam com as que realizava no início do reinado, quando ele se preocupava com a justiça social. Em seus cânticos e provérbios, Salomão diz que fez grandes obras, casas, plantou vinhas, mas nada preencheu seus anseios. Por isso, mesmo cheio de riquezas, Salomão estava pobre de espírito.

 

Podemos observar que enquanto Salomão tinha uma aliança efetiva com Deus, tudo que ele fazia era bom e prosperava da maneira certa. A partir do momento em que as alianças que fazia não eram mais as que agradavam a Deus, tudo mudou.

 

Deus sempre quis fazer uma aliança com Salomão, assim como com cada um de nós. Por meio da história de Salomão podemos, então, aprender algumas coisas, sobretudo a respeito das alianças que podemos fazer com Deus. Podemos destacar alguns tipos de aliança que é importante fazermos com Deus:

 

ALIANÇA DE ORAÇÃO

 

Estudando a história de Salomão percebemos que Deus ouviu sua oração e ainda deixou claro que se viesse alguma praga, algum mal ou acontecesse algum desastre, o povo deveria orar e se humilhar para que Ele, o grande Deus, pudesse restaurar a sorte dos que clamavam.

 

2 Crônicas 7:14: E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

Porém, o povo fez diferente, desobedeceu a Deus, pecou e perdeu a terra, anos mais tarde. O próprio Salomão também fez isso quando adorou a outros deuses.

 

1 Reis 11:5,6: Porque Salomão seguiu a Astarote, deusa dos sidônios, e Milcom, a abominação dos amonitas. Assim fez Salomão o que parecia mal aos olhos do Senhor; e não perseverou em seguir ao Senhor, como Davi, seu pai.

Enquanto Salomão orava a Deus e mantinha a aliança com Ele, havia prosperidade.

 

2 Crônicas 1:1: Salomão, filho de Davi, fortaleceu-se no seu reino; e o SENHOR seu Deus era com ele, e o engrandeceu sobremaneira.

Sabemos que essa aliança nos permite pedir a Deus e ele nos conceder.

 

João 14:13,14: E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.

 

João 15:7: Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.

João 15:16: Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.

O próprio Deus nos incentiva a pedir (Mt 7:7;9). Temos que o colocar em primeiro lugar em nossas vidas (Mt 6: 33).

 

ALIANÇA DE SABEDORIA

 

Deus apareceu para Salomão quando este ainda era jovem e o concedeu sabedoria para reinar. Seu pedido foi bom porque queria fazer o bem. Logo esta sabedoria foi provada (o caso das duas mães). Sua fama de sábio correu o mundo. Recebeu visita até da rainha de Sabá. Se não tivermos sabedoria perderemos o que temos, mas com ela, conquistamos o que precisamos.

 

Tiago 1:5: E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.

O exemplo de sabedoria de José é a prova disso (Gn 41: 39, 49).

 

ALIANÇA COM A CASA DE DEUS

 

O templo, que durou 20 anos para ser construído, era para o Senhor. Ele era lindo e grandioso, mas não adiantaria nada se não tivesse a presença de Deus. O principal deve ser sempre a presença de Deus, como no tempo de Isaias.

 

2 Crônicas 7:16: Porque agora escolhi e santifiquei esta casa, para que o meu nome esteja nela perpetuamente; e nela estarão fixos os meus olhos e o meu coração todos os dias.

 

Isaías 6:1,2: No ano em que morreu o rei Uzias, eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e a cauda do seu manto enchia o templo.
Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com duas voavam.

Nós somos o templo do espírito de Deus, mas temos um compromisso com a casa de Deus.

 

1 Coríntios 3:16: Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?

Devemos dizer como um dia disse Davi: “um dia na casa de Deus vale mais que mil” (Sl 84:10). Ele também pediu para abitar todos os dias em sua casa.

 

Salmos 27:4: Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo.

CONCLUSÃO

 

Por meio deste estudo sobre a história de Salomão percebemos que quando estamos em aliança com Deus as coisas boas acontecem ao nosso redor. Todos passam a contemplar as maravilhas de Deus em nossas vidas. Foi assim que aconteceu com Salomão. Infelizmente, o rei de Israel não conseguiu se firmar nesta aliança com Deus e resolveu dar prioridade as outras alianças, por isso perdeu contato com Deus e acabou declinando espiritualmente.

 

Precisamos preservar nossa aliança com Deus, mesmo diante de muitas propostas tentadoras. Não esqueçamos de perseverar com essa aliança até o fim, para podermos ser coluna na casa de Deus (Ap 3: 12) e não pedra de tropeço (1Pe 2:8). Devemos nos consagrar o máximo que pudermos (Hb 10:25).

 

Que esse estudo sobre a história de Salomão possa ter sido de grande valia para sua vida espiritual. Que Deus te abençoe.

 

Para mais estudos como o da história de Salomão acesse a home de nosso site, aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *