ESPINHO NA CARNE DE PAULO

ESPINHO NA CARNE DE PAULO

Compartilhe este estudo bíblico

O QUE VEREMOS NO ESTUDO SOBRE O ESPINHO NA CARNE DE PAULO 

Neste estudo bíblico, sobre o espinho na carne de Paulo veremos do que se trata esse espinho que tanto o afligia. Também examinaremos as questões tratadas nesta ocasião em que Paulo escreve, não só sobre o espinho, assim como das visões que estava tendo acerca das coisas celestiais. Leiamos os seguinte texto: 

TEXTO: 2º Coríntios 12:1-10 

1-Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor.
2-Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu.
3-E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe)
4-Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar.
5-De alguém assim me gloriarei eu, mas de mim mesmo não me gloriarei, senão nas minhas fraquezas.
6-Porque, se quiser gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas deixo isto, para que ninguém cuide de mim mais do que em mim vê ou de mim ouve.
7-E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar.
8-Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim.
9-E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
10-Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.
 

Já é possível perceber que este estudo traz um tema bastante importante e discutido entre os crentes, o espinho na carne do apóstolo Paulo. A expressão espinho na carne, foi utilizada por Paulo para mostrar, ao Senhor, que algo o incomodava. Muitos se perguntam o que seria esse espinho. Paulo afirma que era o que o mantinha humildade diante do Senhor, diante das revelações que lhes eram dadas. Vamos examinar os versículos para compreendermos melhor o assunto. 

1-Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor.

Paulo, humildemente, queria deixar bem claro que essas visões, de quando foi levado ao céu e recebeu revelações relacionadas às glórias de Deus, não eram para seu engrandecimento. Ele apenas queria mostrar que recebeu, nestas revelações, coisas maravilhosas, tanto reservadas para os salvos em Cristo, quanto às relacionadas ao evangelho na terra.

Romanos 8:18: Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.

2 Timóteo 4:8: Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.

Esse grande momento de revelações possibilitou a Paulo um vigor para continuar, mesmo diante de tantas perseguições. Além disso, foi um momento que o capacitou para suportar tantos sofrimentos durante sua caminhada evangelística.

2-Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. 

Quando Paulo fala de “um homem em Cristo” ele está se referindo a si mesmo na terceira pessoa. O terceiro céu da qual está falando é o paraíso, onde esteve na presença de Deus. Ele diz que foi arrebatado, assim como foi Ezequiel:

Atos 22:17: E aconteceu que, tornando eu para Jerusalém, quando orava no templo, fui arrebatado para fora de mim.

Ezequiel 8:3: E estendeu a forma de uma mão, e tomou-me pelos cabelos da minha cabeça; e o Espírito me levantou entre a terra e o céu, e levou-me a Jerusalém em visões de Deus, até à entrada da porta do pátio de dentro, que olha para o norte, onde estava o assento da imagem do ciúmes, que provoca ciúmes.

Ezequiel 11:1: Então me levantou o Espírito, e me levou à porta oriental da casa do SENHOR, a qual olha para o oriente; e eis que estavam à entrada da porta vinte e cinco homens; e no meio deles vi a Jaazanias, filho de Azur, e a Pelatias, filho de Benaia, príncipes do povo.

3-E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) 4-Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar. 

Quando Paulo diz que foi arrebatado ao paraíso, podemos compreender que ele foi ao terceiro céu. Se examinarmos as escrituras poderemos ver que o primeiro céu está relacionado ao espaço ou atmosfera que circunda a terra:

Oséias 2:18: E naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e da terra quebrarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança. 

Daniel 7:13: Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o filho do homem; e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele. 

Já o segundo céu é o das estrelas e astros:

Gênesis 1:14-18: E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.
E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi.
E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas.
E Deus os pôs na expansão dos céus para iluminar a terra,
E para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom.

Depois vemos as referências ao terceiro céu, o paraíso ou morada de Deus para onde todo crente verdadeiro almeja ir: 

Lucas 23:43: E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso. 

Apocalipse 2:7: Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus. 

2 Coríntios 5:8: Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor. 

Filipenses 1:23: Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.

5-De alguém assim me gloriarei eu, mas de mim mesmo não me gloriarei, senão nas minhas fraquezas. 

Paulo apresentava uma grande preocupação em se vangloriar pelos seus feitos e virtudes. Sabia ele que já havia deixado de lados essas coisas e vaidades que praticava quando ainda era perseguidor dos cristãos.

2 Coríntios 11:30: Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.


6-Porque, se quiser gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas deixo isto, para que ninguém cuide de mim mais do que em mim vê ou de mim ouve. 

Ele também não queria que as pessoas o tratassem de forma diferenciada porque ele era o apóstolo Paulo. Assim como não o visse como o maior porque ele recebia do Senhor grande poder, pois ele sabia que era igual a qualquer um e que o poder dado pelo Senhor era para a edificação da igreja de Cristo.

2 Coríntios 10:8: Porque, ainda que eu me glorie mais alguma coisa do nosso poder, o qual o Senhor nos deu para edificação, e não para vossa destruição, não me envergonharei. 

2 Coríntios 11:16: Outra vez digo: Ninguém me julgue insensato, ou então recebei-me como insensato, para que também me glorie um pouco.

7-E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. 

Paulo está se referindo ao que ele teve durante seu percurso como pregador da palavra. Momentos muito difíceis e dolorosos. Poderemos até sugerir que o que Paulo está falando é relacionada a um problema físico, alguma doença. Mas também poderia ser algum outro tipo de sofrimento. O fato é que a expressão “espinho na carne”, neste versículo, poderia se remeter a humilhação, aflição ou algum tipo de dor causada por enfermidade física.

Gálatas 4:13-14: E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne; E não rejeitastes, nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo.

Embora não saibamos do que realmente se trata esse espinho na carne, podemos compreender que Paulo nos ensina grande lições espirituais, principalmente de que nada pode nos separar do amor do Senhor.

Romanos 8:38,39: Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

Embora sem muita certeza, poderemos supor que o espinho na carne referido por Paulo, pode estar associado a alguma dessas três possibilidades: 

1ª PERSEGUIÇÕES:

Até uma ação demoníaca pode ter sido a responsável pelo sofrimento simbolizado por esse espinho. Sabemos, porém, que se era isso, com certeza foi da permissão do Senhor. Não deveria ser para matar, mas para ensinar algo ou para evitar que ele se vangloriasse de ter tido o privilégio destas visões, assim como foi com Jó. O fato é que tudo passa pela permissão de Deus.

Jó 2:6: E disse o Senhor a Satanás: Eis que ele está na tua mão; porém guarda a sua vida.

Paulo ressalta uma perseguição se referindo ao mensageiro de Satanás. Jesus também usa essa expressão para os que se declaram judeus e não são, sendo sinagoga de satanás.

Apocalipse 2:9: Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás.

A palavra espinho pode ser utilizada simbolicamente como inimigos.

Josué 23:13: Sabei certamente que o Senhor vosso Deus não continuará a expulsar estas nações de diante de vós, mas elas vos serão por laço e rede, e açoite às vossas ilhargas, e espinhos aos vossos olhos; até que pereçais desta boa terra que vos deu o Senhor vosso Deus.

Todos nós passamos por perseguições e lutas.

Tiago 1:2: Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações. 

Porém, temos que lembrar que isso serve para nós não enfraquecermos. Paulo diz que todo cristão piedoso passa por perseguições.

2º Timóteo 3:12: E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições. 

Temos que lembrar que precisamos perdoar nossos perseguidores.

Mateus 5: 44: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus. 

2º TENTAÇÕES:

Paulo fala de fraquezas que podem ser tentações e fragilidades da carne. Ele era um homem natural e deveria ter temperamentos não tão agradáveis.

2º Coríntios 12:20: Porque receio que, quando chegar, não vos ache como eu quereria, e eu seja achado de vós como não quereríeis; que de alguma maneira haja pendências, invejas, iras, porfias, detrações, mexericos, orgulhos, tumultos.

Paulo não escondia suas fraquezas.

2 Coríntios 12:10: Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. 

As tentações fazem parte de nossas vidas, até Jesus passou por isso.

Mateus 4:1: Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.

3º ENFERMIDADE:

Muitos acreditam que o espinho na carne de Paulo, seria uma enfermidade. Talvez, por causa dos cárceres que o debilitava. Paulo reconhece que passou por problemas de saúde. Em Gálatas 4:13 percebemos que pode ser um problema nos olhos. Ele também precisava da ajuda de Timóteo para escrever suas cartas.

Gálatas 4:13: E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne.

Outra coisa que podemos aprender é que com um espinho, como o de Paulo ou como qualquer outro que traz sofrimento, nos tornamos mais dependentes do Senhor. Nos tornamos mais humildes e conscientes de que nada somos sem Ele. De toda forma isso acaba se tornando um ensinamento, para que nos tornemos melhores.

Hebreus 12:10: Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. 

O certo é que qualquer que seja os espinhos, estes deixaram de existir quando o Senhor vier e restaurar tudo:

Ezequiel 28:24: E a casa de Israel nunca mais terá espinho que a fira, nem espinho que cause dor, entre os que se acham ao redor deles e que os desprezam; e saberão que eu sou o Senhor DEUS.

8-Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. 

Observe que até Paulo suplicou e Deus não atendeu. Será que é um Deus ruim? Ou Paulo estava em pecado e não teve suas orações atendidas? Não! Precisamos compreender que nem tudo que nós queremos está sob a vontade do Senhor. Precisamos entender, também, que Deus sempre reserva o melhor para cada um de nós.

Efésios 3:20: Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera.

Não esqueçamos do que aconteceu com Moisés, nem ele teve seu desejo atendido. Queria muito chegar à terra prometida, mas não era da vontade de Deus.

Deuteronômio 3:23,24,27: Também eu pedi graça ao Senhor no mesmo tempo, dizendo: Senhor DEUS! já começaste a mostrar ao teu servo a tua grandeza e a tua forte mão; pois, que Deus há nos céus e na terra, que possa fazer segundo as tuas obras, e segundo os teus grandes feitos?

Sobe ao cume de Pisga, e levanta os teus olhos ao ocidente, e ao norte, e ao sul, e ao oriente, e vê com os teus olhos; porque não passarás este Jordão.

Até Jesus orou ao Senhor quando sabia que iria passar por todo aquele sofrimento, quando morreria na cruz. Contudo, Ele entregou ao Senhor, para que fosse feito sua vontade.

Mateus 26:42,44: E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade.

E, deixando-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.

9-E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.

Embora pareça difícil compreender essa negativa do Senhor, mas precisamos entender que o poder do Senhor se manifesta ainda mais em nossas fraquezas.

2 Coríntios 11:30: Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.

1 Pedro 4:14: Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus; quanto a eles, é ele, sim, blasfemado, mas quanto a vós, é glorificado.

A graça representa o favorecimento e o imenso amor dEle em nossas vidas, por isso Deus falou a Paulo que isso bastava.  Além do mais, a graça de Deus é um grande poder que só é concedido a quem de fato é fiel a Ele. Essa graça também é o que faz com que o crente consiga suportar os grandes problemas e injustiças relacionadas ao evangelho.

Filipenses 4:13: Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.

10-Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte. 

Quanto maiores forem as fraquezas e dificuldades relacionadas ao servir a Jesus, mais poder em graça o Senhor nos concederá. Não esqueçamos, o que Ele nos dá é sempre o suficiente para que possamos seguir na jornada, suportando os eventuais espinhos que possam nos afligir.

Assim como Paulo, devemos nos gloriar perante nossas fraquezas e não diante das virtudes. Porque, por meio delas poderemos alcançar as maravilhas sobrenaturais do Senhor. Por meio delas, o Espírito Santo de Deus habita em nós para nos ajudar e para não nos sentirmos sozinhos. 

Romanos 5:3,4: E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. 

2 Coríntios 7:4: Grande é a ousadia da minha fala para convosco, e grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações. 

Esse ensinamento nos faz refletirmos sobre a necessidade que temos, de queremos mais do que precisamos. Temos que compreender que é necessário nos contentarmos com o que Deus nos deu.

Filipenses 4:11: Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho.

CONCLUSÃO

Por meio deste estudo sobre o espinho na carne de Paulo, entendemos que não é possível dizer, de forma conclusiva, o que é esse espinho. Mas, compreendemos que este pode se referir as tribulações, lutas e adversidades que ele enfrentava. Conseguimos imaginar o incômodo causado por ele. Vira e mexe, estava lá. Orou por três vezes para que esse espinho saísse, mas ele permanecia lá, para que continuasse humilde.

As vezes Deus permite que tudo isso ocorra em nossas vidas para que possamos nos aperfeiçoar na fraqueza e nos aproximar Dele. Ele sempre guarda coisas grandiosas para cada um de nós, mas isso não pode atingir nosso ego, nossa vaidade e orgulho. Além disso, esses espinhos nos tornam mais dependentes de Deus.

Espero que este estudo sobre o espinho na carne de Paulo tenha sido útil para a vida espiritual de cada um de vocês. Que Deus os abençoe!

Para mais estudos como este do espinho na carne de Paulo, acesse a home do nosso site, aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *