Multiplicação de pães e peixes

A PRIMEIRA MULTIPLICAÇÃO DE PÃES E PEIXES

Compartilhe este estudo bíblico

O QUE VEREMOS NO ESTUDO SOBRE A MULTIPLICAÇÃO DE PÃES E PEIXES

 

Nos estudo sobre a primeira multiplicação de pães e peixes examinaremos uma das passagens mais belas e conhecidas, a única relatada em todos os evangelhos. Inicialmente analisaremos cada versículo, separadamente, observando o que está sendo descrito e depois faremos uma abordagem mais reflexiva sobre esse milagre da multiplicação de pães e peixes, levando em consideração os ensinamentos de Jesus para nossas vidas. Comecemos com a leitura do texto a seguir:

 

TEXTO: Mateus 14: 13-21

 

13-E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo-o o povo, seguiu-o a pé desde as cidades.
14-E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.
15-E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.
16-Jesus, porém, lhes disse: Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer.
17-Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes.
18-E ele disse: Trazei-mos aqui.
19-E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão.
20-E comeram todos, e saciaramse; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias.
21-E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças.

 

ANALISANDO OS VERSÍCULOS

 

Como já foi dito, este é o único milagre de Jesus que aparece nos quatro evangelhos. Os outros registros se encontram em: Mateus 14:13-21, Marcos 6: 30-44, Lucas 9:10-17 e João 61:13. Para o nosso estudo tomaremos como referência o que foi descrito por Lucas, contudo sem esquecer dos outros registros relacionados a multiplicação de pães e peixes. Vamos observar cada versículo.

 

13-E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo-o o povo, seguiu-o a pé desde as cidades.

 

Esse milagre ocorreu logo depois da viagem que os discípulos fizeram, quando Jesus os ordenou que fossem em uma missão, de dois em dois, pregar sobre o arrependimento, o evangelho da salvação, assim como expulsar demônios e realizar curas (Marcos 6:7-13).

 

“E Jesus ouvindo isto” quer dizer que ele estava ouvindo os relatos dos feitos de seus discípulos durante essa jornada. Também o mestre ouviu sobre a morte de seu primo querido, João Batista que foi decapitado a mando de Herodes.

Este “lugar deserto” era um local que ficava às margens do Mar da Galileia, na parte nordeste, numa cidade chamada Betsaida.

 

Lucas 9:10: E, regressando os apóstolos, contaram-lhe tudo o que tinham feito. E, tomando-os consigo, retirou-se para um lugar deserto de uma cidade chamada Betsaida.

Como o povo estava sempre a buscar Jesus e até a pé uma multidão o procurava, o Messias resolveu chamar os discípulos para esse lugar mais calmo e desértico.

 

Mateus 14:13: E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo-o o povo, seguiu-o a pé desde as cidades.

14-E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.

 

Era notório que Jesus procurava paz e tranquilidade, longe de pessoas. Porém, a multidão se aproximou de Jesus e de seus discípulos e o mestre não conseguiu conter sua compaixão para com aqueles necessitados.

 

Lucas 9:11: E, sabendo-o a multidão, o seguiu; e ele os recebeu, e falava-lhes do reino de Deus, e sarava os que necessitavam de cura.

 

Mateus 9:36: E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não têm pastor.

 

Na descrição de Mateus vemos a referência “como ovelhas sem pastor” essa expressão foi utilizada até mesmo por Moisés, que não queria que o povo de Deus ficasse como ovelhas desgarradas.

 

Números 27:16,17: O Senhor, Deus dos espíritos de toda a carne, ponha um homem sobre esta congregação, Que saia diante deles, e que entre diante deles, e que os faça sair, e que os faça entrar; para que a congregação do Senhor não seja como ovelhas que não têm pastor.

 

O profeta Micaías também fez uso dessa expressão, quando falava para o rei Zedequias que não confrontasse contra os sírios.

 

1 Reis 22:17: Então disse ele: Vi a todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não tem pastor; e disse o Senhor: Estes não têm senhor; torne cada um em paz para sua casa.

15-E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.

 

Aqui observamos que os discípulos estavam preocupados porque já estava ficando tarde e aquele povo teria que voltar para suas casas, já que nas proximidades não existiam locais de venda de comidas.

 

Mateus 14:15: E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.

Lucas 9:12: E já o dia começava a declinar; então, chegando-se a ele os doze, disseram-lhe: Despede a multidão, para que, indo aos lugares e aldeias em redor, se agasalhem, e achem o que comer; porque aqui estamos em lugar deserto.

16-Jesus, porém, lhes disse: Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer.

 

No evangelho de Marcos vemos Jesus pedindo para que os discípulos providenciassem pão para que a multidão pudesse se alimentar. Mas os apóstolos perguntavam: “Iremos comprar duzentos denários de pão para lhes dar de comer?”

 

Um denário era correspondente a quantia de um dia de trabalho. Com isso, dá para imaginar o quanto de gente estava presente, pois com duzentos denários dava para adquirir uma quantia bem elevada de pão. Por isso, os discípulos ficaram assustados quando Jesus pediu para que eles dessem de comer a todos os presentes.

 

Essa preocupação dos seguidores de Jesus foi a mesma que Moisés apresentou diante de Deus. Moises não sabia como alimentar todo povo hebreu que ia com ele no deserto.

 

Números 11:13,14: De onde teria eu carne para dar a todo este povo? Porquanto contra mim choram, dizendo: Dá-nos carne a comer; Eu só não posso levar a todo este povo, porque muito pesado é para mim.

Quando Jesus pediu para que os apóstolos alimentassem a multidão, estava testando a fé deles. Mas, eles só enxergavam o plano material, assim como Moisés, não conseguiam compreender que o todo poderoso estava com eles.

 

17-Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes.
18-E ele disse: Trazei-mos aqui.

Como os discípulos não conseguiram compreender que Jesus estava testando-os, continuaram na esfera material e buscaram o que lhes era palpável e visível, por isso só encontraram os pães e peixes que lhes entregaram.

 

Não é atoa que Jesus dizia que eles eram homens de pouca fé. Sem fé os milagres deixam de ocorrer. Mas Jesus sempre os ensinou que quando temos fé, coisas maravilhosas podem acontecer.

 

Mateus 17.20: Por causa de vossa incredulidade; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível.

Os discípulos também não tinham a real dimensão de que o Senhor supre qualquer necessidade.


Filipenses 4:19: O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.

19-E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão.

 

Jesus ergueu aos céus e abençoou. Naquela época, de acordo com o costume dos judeus, quem estivesse fazendo a oração de apresentação do alimento necessitava dizer: “bendito sejas tu, Senhor nosso Deus e rei do universo. O senhor é quem produz todo fruto da terra”. Falado isso, todos os que estavam a mesa diziam: “amém”.

 

Mateus 15:36: E, tomando os sete pães e os peixes, e dando graças, partiu-os, e deu-os aos seus discípulos, e os discípulos à multidão.

 

Jesus abençoou os pães e peixes como quando esteve na ceia com seus discípulos.

 

Mateus 26:26: E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.

20-E comeram todos, e saciaramse; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias.

21-E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças.

 

Como já comentamos, os discípulos e Moises não compreenderam que Deus poderia suprir a multidão. Vemos nestes últimos versículos que a comida não só deu para todos os que estavam presentes, como ainda sobrou. Essa falta de fé também foi vista em Geazi, servo do profeta Eliseu.

 

2 Reis 4:43,44: Porém seu servo disse: Como hei de pôr isto diante de cem homens? E disse ele: Dá ao povo, para que coma; porque assim diz o Senhor: Comerão, e sobejará. Então lhos pôs diante, e comeram e ainda sobrou, conforme a palavra do Senhor.

Notem que no caso da multiplicação de pães e peixes, estavam presentes cinco mil homens. Como era do costume daquela época, a contagem de pessoas era feita levando em consideração apenas o número de homens, sem contar mulheres e crianças. Isso quer dizer que esse número pode ter sido até maior que 10 mil pessoas.


REFLETINDO SOBRE O TEXTO

 

O contexto dessa passagem da multiplicação de pães e peixes se coloca no período em que Jesus tomou conhecimento da morte de seu primo João Batista. Essa notícia deixou Jesus triste e com a necessidade de se isolar em um lugar no deserto. Essa atitude de Jesus demonstra que realmente ele detinha um aspecto humano, que o deixava com sentimentos como os nossos.

 

Jesus pede para que os discípulos o levem, em um barco, a um lugar deserto. Se até o mestre necessitou de um lugar como esse, imagine nós, com toda nossa fragilidade. Todos nós passamos por desertos por causa de nossa vida cheia de problemas e aflições. No entanto, necessitamos compreender que apesar dos motivos que nos levam a ficarmos tristes e isolados em um deserto, devemos seguir em frente, pois se perseverarmos até o fim, conseguiremos a coroa da vida e nossa salvação.

 

Mateus 24:13: Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.

Apocalipse 2:10: … Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

 Apocalipse 3:21: Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.

 

Jesus nos ensina que mesmo diante da tristeza devemos seguir em frente. Foi o que fez, continuando com a obra do Senhor. Isso fica evidente quando Ele se depara diante da multidão, fica cheio de íntima compaixão pelo povo que o seguia. Naquele momento Jesus confortou pessoas, curou enfermos, expulsou demônios e pregou o evangelho da salvação, ou seja, seguiu em frente.

 

Quando o final da tarde foi se aproximando, os discípulos começaram a ficar preocupados, porque a multidão já estaria com fome e aquele lugar ficava longe de qualquer venda de alimentos. Por esse motivo, pedem para que o mestre dispensasse as pessoas para suas casas ou comprar coisas para que pudessem se alimentar.

 

Jesus realmente compreende a necessidade do povo de se alimentar, tanto que pede aos discípulos que alimentassem os presentes naquele local. O problema é que o que estava disponível para a alimentação das pessoas era apenas cinco pães e dois peixes. Portanto, não era o suficiente para milhares de pessoas que estavam no local.

 

Então, nosso Deus mostra que é o mesmo que alimentou os hebreus que caminhavam no deserto, fazendo cair maná do céu. Ele mostrou, diante de todos, que poderia resolver uma situação, que aos olhos humanos, seria impossível de ser resolvida.

 

Com apenas esses cinco pães dois peixes, uma multidão de mais de 5 mil homens, sem contar as mulheres e crianças, ou seja, mais de 10 mil pessoas, foi alimentada e ainda com sobras de 12 cestos de alimentos. O Senhor nunca deixa faltar nada, sobretudo para os justos.

 

Salmos 37:25: Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão.

É interessante destacar que o alimento que Jesus oferece é gratuito, diferentemente da proposta dos discípulos que era de comprar. Não precisamos pagar nada, pois tudo que por Ele nos é dado, é de graça.

 

João 4:14: Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.

Ele já pagou tudo na cruz do calvário, nossos pecados e salvação.

 

1 Coríntios 6:20: Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.

 

1 Pedro 2:24: Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.

 

Desta passagem poderemos evidenciar algumas lições. A primeira, é que o Senhor não nos deixa desamparados, mesmo diante de situações muito difíceis. Ele é o Deus da providência.

 

Salmos 23:1: O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.

 

1 Pedro 5:7: Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.

 

Hebreus 13:5: Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.

 

Outra coisa que precisamos aprender é que mesmo diante das dificuldades, quando a escassez prevalece, sempre temos um pouco para contribuir, para semear.  Naquele deserto não havia nada, mas alguém doou o pouco que tinha, no caso, os cinco pães e dois peixes. Paulo ressaltava que os irmãos generosos doavam mesmo diante das dificuldades.

 

2 Coríntios 8:2,3: Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente.

 

A viúva de Sarepta, em 1Reis 17, também é exemplo de ajuda, mesmo na escassez. E quando fazemos isso para Deus, tudo é multiplicado.

 

Além dessas lições poderemos destacar outra coisa, as perguntas que o Senhor nos faz. Sempre que isso ocorre é porque Ele quer nos ensinar algo.

 

No relato em João, Jesus pergunta a Felipe: “onde poderemos comprar pão?” Claro que Ele sabia que não tinha como comprar nada naquele lugar. A questão é: Será que Felipe conseguia compreender que só Jesus poderia fazer algo na situação em que eles se encontravam?

 

Quando Deus perguntou a Adão: “Onde tu estás?” Será que Deus não sabia onde ele estava? Claro que sim. Mas, Adão sabia que sem a proteção de Deus ele não teria mais rumo?

 

Deus também fez uma pergunta a Elias quando ele estava na caverna: “O que fazes aqui?” Deus falava para Elias, naquele momento, que ele não estava só e que ainda teria muita coisa para fazer.

 

Uma outra pergunta é feita a Lucas: “quando vier o filho do homem achará fé na terra?” (Lucas 18:8).

Essa pergunta deve ser respondida por cada um de nós. Será que temos essa fé que salva? Estamos indo no caminho certo?

 

CONCLUSÃO

 

Neste estudo sobre a primeira multiplicação de pães e peixes examinamos um milagre que pode ser observado por alguns aspectos de destaque na pessoa do Senhor Jesus. Um deles é Jesus como o pão da vida (João 6:35), que provê não só o alimento físico, mas especialmente o espiritual, que nos dá forças para seguir perseverantes até o final. Outro aspecto é relacionado ao Jesus que opera milagres inimagináveis, como alimentar milhares de pessoas com a multiplicação de pães e peixes. Também vemos um Jesus cheio de compaixão para com os necessitados. Esse é um dos maiores ensinamentos de do Messias para a humanidade. Infelizmente esse ensinamento é pouco praticado. Por fim, observamos que o pouco que temos, com Jesus este se torna muito, basta crermos.

 

Espero que este estudo sobre a primeira multiplicação de pães e peixes tenha sido de grande valia para sua vida espiritual. Que Deus te abençoe.

 

Para mais estudos como esse da multiplicação de pães e peixes, acesse a home de nosso site, aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *