centurião de cafarnaum

O ENCONTRO DO CENTURIÃO DE CAFARNAUM COM JESUS

Compartilhe este estudo bíblico

VEJAMOS O QUE EXAMINAREMOS NESTE ESTUDO SOBRE O CENTURIÃO DE CAFARNAUM

Examinaremos, neste estudo, um dos encontros mais interessantes registrados na bíblia, o do Centurião de Cafarnaum com Jesus. Observaremos os detalhes deste encontro, como de fato aconteceu, os pormenores por trás do texto, as lições e implicações para a vida do crente. Além disso, vamos compreender, de uma vez por todas, o porquê das diferenças entre os relatos desta história que se encontra registrada em Mateus e em Lucas. Será que são relatos contraditórios? Qual dos dois é o verdadeiro?

Antes de mais nada, comecemos o estudo pela leitura do texto:

Mateus 8:5-13

5-E, entrando Jesus em Cafarnaum, chegou junto dele um centurião, rogando-lhe,
6-E dizendo: Senhor, o meu criado jaz em casa, paralítico, e violentamente atormentado.
7-E Jesus lhe disse: Eu irei, e lhe darei saúde.
8-E o centurião, respondendo, disse: Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado, mas dize somente uma palavra, e o meu criado há de sarar.
9-Pois também eu sou homem sob autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu criado: Faze isto, e ele o faz.
10-E maravilhou-se Jesus, ouvindo isto, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que nem mesmo em Israel encontrei tanta fé.
11-Mas eu vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e assentar-se-ão à mesa com Abraão, e Isaque, e Jacó, no reino dos céus;
12-E os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.
13-Então disse Jesus ao centurião: Vai, e como creste te seja feito. E naquela mesma hora o seu criado sarou.

Quando estudamos a bíblia observamos algumas transformações de vida em pessoas que tiveram um encontro com Jesus. Podemos citar aqui alguns exemplos: a mulher do fluxo de sangue, o homem de Gadara, Jairo e outros. Isso, sem falar dos muitos encontros não registrados, mas que ocasionaram mudanças de vida causadas pelo impacto da presença de Jesus.

Essas pessoas que tiveram um encontro com Jesus experimentaram a novidade de vida causada pela presença transformadora de Cristo. Nestes últimos dias, a igreja do Senhor está precisando ter um encontro transformador com Jesus, para que assim possamos nos tornar novas criaturas, pessoas melhores, fiéis a Deus. Se isso não ocorrer, não poderemos ver o Reino de Deus.

2 Coríntios 5:17: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.


Efésios 5:8: Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz.


João 3:3: Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.

Neste estudo, vamos tratar de um outro encontro especial, o do Centurião de Cafarnaum com Jesus. Este é considerado como um dos mais inusitados, surpreendentes e inesperados encontros. Antes de tratarmos sobre este encontro, vamos entender algumas coisas.

Primeiro, o que é Centurião?

Na hierarquia militar romana existiam alguns postos que seguiam uma ordem de importância. No primeiro posto vinha o soldado raso, acima deste o decurião, que era responsável por 10 soldados, o centurião que comandava 100 soldados e o general, que pertencia ao mais alto nível militar.

Sendo assim, podemos compreender que o Centurião de Cafarnaum era um homem de muita responsabilidade e detentor de um status militar e social reconhecido. Ele era um líder militar que tinha bastante poder e influência.

O encontro entre o Centurião e Jesus ocorreu em Cafarnaum, que quer dizer vila de Naum. Por este lugar Jesus passou diversas vezes, realizando milagres e prodígios. Em um período de seu ministério chegou até a fixar moradia. Por causa disso, Cafarnaum ficou conhecida como cidade de Jesus. Pedro, Mateus e André também residiram nesta cidade.

Em Cafarnaum Jesus curou o Jovem paralítico, libertou um homem possesso por demônios, além de muitos outros milagres de curas. Esta cidade, no entanto, era conhecida por sua incredulidade. Mesmo diante de tantas manifestações sobrenaturais da parte de Jesus, muitos ainda eram descrentes.

Por isso, Jesus chegou a declarar que se esses milagres tivessem ocorrido em Sodoma, esta cidade não teria sido destruída. Por meio dessa declaração de Jesus podemos compreender o quão duro eram os corações das pessoas de Cafarnaum. Eles eram incapazes de sentir a presença de Deus, mesmo estando muito próximos dEle.

Este encontro foi surpreendente por vários aspectos. Primeiro, porque se tratava de um Centurião, militar da cidade de Cafarnaum. Como sabemos, os militares da época eram soldados romanos que não tinham muita estima pela religião seguida pelos Judeus, assim como não davam muito crédito ao que as pessoas falavam sobre Jesus. Na realidade, eles acreditavam se tratar de mais um charlatão religioso.

Outra coisa que nos chama a atenção é que o Centurião de Cafarnaum estava muito preocupado com a saúde do seu servo. Aqui vemos uma situação que não era muito comum para a época, tendo em vista que quando um escravo adoecia este era facilmente deixado de lado, descartado e trocado por outro.

Contudo, o Centurião de Cafarnaum demonstrou um amor peculiar para com seu estimado servo. Essa atitude deve ser considerada como lição para as nossas vidas, isto é, demonstração de amor por alguém, independentemente de sua posição social, raça, cor ou credo.

Jesus deixou muito claro sobre a necessidade de amarmos ao próximo. O amor é um sentimento divino, pois Deus é o próprio amor.

1 João 4:8: Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.

1 Coríntios 13:1: Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

Romanos 12:10: Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.

Mateus 22:39: E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

Como já foi dito, a relação entre soldados romanos e os Judeus do alto clero não era a das mais amistosas, mas vemos nesta passagem o Centurião de Cafarnaum pedindo ajuda aos líderes religiosos. Isso demonstra humildade. Além disso, examinando o texto sagrado no capítulo 7 de Lucas, compreendemos que este homem era querido pelas pessoas da região, inclusive pelos anciãos dos judeus, pois, segundo eles, o Centurião de Cafarnaum amava a nação e edificou uma sinagoga.

Sendo assim, estamos vendo homens Judeus intercedendo pelo servo de um Centurião, de um oficial. Essa é uma outra lição que devemos aprender: vivermos em união, mesmo quando nos deparamos com as diferenças.

Salmos 133:1: Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.

João 15:17: Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros.

Não podemos deixar de destacar a animosidade dos judeus para com Jesus de Nazaré. Quando lemos esta passagem em Lucas vemos estes anciãos judeus pedindo ajuda a Jesus, pedindo que o mestre pudesse realizar o milagre da cura do servo do Centurião de Cafarnaum.

Pode ser que neste momento da leitura deste estudo ou quando leu as duas passagens bíblicas que retrata a história do Centurião de Cafarnaum (Mateus 8:5 e Lucas 7:1) você tenha se perguntado: Será que estas passagens não estão relatando coisas diferentes? Quem de fato foi falar com Jesus, o Centurião de Cafarnaum ou os anciãos judeus?

Vamos examinar …

Para compreendermos melhor é necessário entender um pouco dos costumes e contextos da época. Em Mateus 8 lemos que o Centurião de Cafarnaum foi ter com Jesus, já em Lucas 7 o encontro ocorreu com os Anciãos.

Se você analisar com cuidado, vai perceber que o próprio Centurião de Cafarnaum alega que é chefe e que manda as pessoas irem e elas vão. Outra coisa que devemos saber é que naquela época indivíduos poderiam ser enviados em nome de outros, como sendo seus representantes legais ou oficiais. Essa representação dava total autoridade as pessoas enviadas, como se fossem o próprio que estivesse no encontro.

No caso dos anciãos eles estavam representando o próprio Centurião de Cafarnaum. Por isso que Mateus escreve como se o oficial estivesse se encontrando com Jesus, pois essa representação teria o mesmo valor. Como Lucas é mais detalhista nos fatos, ele acaba relatando o que realmente aconteceu.

Essa diferença, contudo, não muda em nada a real essência da mensagem. Por isso, vamos continuar observando o principal, que é o encontro com Jesus e o Centurião de Cafarnaum.

O fato é que ao receber essa solicitação, Jesus iria para a casa do Centurião de Cafarnaum para realizar o milagre de cura. Todavia, o oficial se demonstrou indigno de receber o mestre em sua residência. Segundo ele, bastava apenas uma palavra de cura da parte de Jesus para que o milagre acontecesse.

Essa fé demonstrada pelo Centurião foi tão surpreendente que o próprio Jesus alegou que nunca tinha visto tanta fé, nem mesmo em Israel. Mais uma vez observamos uma lição para ser levada as nossas vidas: lição de fé.

Hebreus 10:38: Mas o justo viverá pela fé; E, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.

Hebreus 11:1: Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.

Hebreus 11:6: Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.

O que também nos chama a atenção é que o Centurião de Cafarnaum foi uma das pouquíssimas pessoas não judias que procurou Jesus para o ajudar. A fé que ele demonstrava ter na pessoa de Jesus, cativou o próprio mestre. A fé do Centurião de Cafarnaum transcendia qualquer outra demonstração de fé da parte dos judeus.

A fé do Centurião de Cafarnaum era diferenciada porque reunia alguns elementos essenciais: o cuidado e o amor para com o próximo e uma extrema confiança depositada em Jesus. Cristo utilizou esta fé maravilhosa para advertir aos judeus incrédulos que a falta de fé deles seria a causa da ausência de bençãos de Deus.

Essa advertência também cabe a nós. Se negligenciarmos nossa fé em Cristo, deixando de praticar as boas obras, também ficaremos de fora daquilo que o Senhor tem preparado para cada um de nós, os que perseverarmos até o fim. Por isso, temos que guardar o que nos foi confiado.

Apocalipse 3:11: Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.

Mateus 24:13: Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.

 

CONCLUSÃO

O encontro entre o Centurião de Cafarnaum e Jesus nos ensina várias coisas que devem ser empregadas por nós, crentes que almejam ser salvos. Para conseguirmos alcançar a eternidade teremos que ser amorosos com as pessoas, independentemente de cor, raça, classe social ou status. Devemos respeitar a todos, inclusive os que pensam diferente de nós. Portanto, amemos e cuidemos do próximo. Além disso, o Centurião de Cafarnaum nos mostrou como devemos conviver bem com as pessoas, buscar sempre a paz a união, se possível for, com prestação de serviços e favores.

E a coisa mais importante que aprendemos é que não dá para agradar a Deus sem fé. A fé do Centurião era tão grande que alegrou o coração de Jesus. Que possamos compreender que somos pessoas de pouca fé e que precisamos exercitá-la ainda mais, seja por sentimentos ou por obras.

Se você gostou deste estudo sobre o Centurião de Cafarnaum acesse a home do nosso site, aqui. Que Deus te abençoe!

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *