Paulo e Silas na prisão

PAULO E SILAS NA PRISÃO

Compartilhe este estudo bíblico

O QUE VEREMOS NESTE ESTUDO SOBRE PAULO E SILAS NA PRISÃO

 

 

Neste estudo abordaremos um pouco sobre a jornada evangelística de Paulo e Silas que culminou com suas prisões, logo após sofrerem castigos de açoites. Examinaremos os detalhes dessa jornada que podem nos ensinar a sermos cristãos mais firmes e entendedores de nossa missão evangelística aqui na terra. Vamos iniciar esse estudo com a leitura do texto seguinte:

 

Atos 16:19-26

 

19-E, vendo seus senhores que a esperança do seu lucro estava perdida, prenderam Paulo e Silas, e os levaram à praça, à presença dos magistrados.
20-E, apresentando-os aos magistrados, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbaram a nossa cidade,
21-E nos expõem costumes que não nos é lícito receber nem praticar, visto que somos romanos.
22-E a multidão se levantou unida contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas.
23-E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança.
24-O qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior, e lhes segurou os pés no tronco.
25-E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam.
26-E de repente sobreveio um tão grande terremoto, que os alicerces do cárcere se moveram, e logo se abriram todas as portas, e foram soltas as prisões de todos.

Paulo e Silas, juntamente com sua comitiva de irmãos que o ajudava em suas viagens, estavam passando por Derbi e Listra, lugares onde Paulo e Barnabé visitaram na primeira viagem missionária.  Lá encontraram Timóteo, o mesmo que depois viria ser um grande ajudador de Paulo. É interessante destacar que Timóteo, apesar de ter pai grego era filho de judia, mas por algum motivo, não era circuncidado. Por isso, Paulo o circuncidou para evitar questionamentos dos judeus, que só consideravam como verdadeiros israelitas os que eram circuncidados.

 

Timóteo, portanto, seguiu viagem com Paulo, Silas e os irmãos, passando pelas cidades e pregando o evangelho de Cristo. As igrejas daquela região estavam crescendo em fé e em número de membros, pois todos davam ouvidos aos ensinamentos de Jesus anunciados por Paulo e os discípulos.

 

Quando Paulo e Silas passavam pela Frígia e Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo para não irem pregar na Ásia. Assim como quando tentaram ir para Bitínia, Deus não permitiu, pois tinha planos diferentes para Paulo, Silas e os outros. Sendo assim, foram até Trôade, que tinha um porto do mar Egeu, onde ocorriam os embarques para a Macedônia, província romana que estava nas regiões do norte da Grécia.

 

Com essa mudança de trajeto fica claro que os irmãos compreendiam que em algumas situações Deus não permite que nossos planos ocorram, pois Ele sabe o que é melhor. Mesmo em uma viagem missionária, só devemos ir pelos caminhos traçados por Deus. Até porque se não formos usados e inspirados por Ele, não adiantaria fazermos viagem alguma. Só conseguiremos anunciar se estivermos cheios do Espírito Santo.

 

Atos 4:31: E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.

Foi então que Paulo teve, durante a noite de sono, uma visão com um homem da Macedônia clamando por ajuda. Depois disso, entendendo que o Senhor os chamava, Paulo, Silas e os irmãos em cristos passaram para a Macedônia.

 

Assim como Paulo teve esse discernimento de que o Senhor o dera uma visão, precisamos compreender que o Espírito Santo de Deus tem o poder de nos dar revelação e sabedoria para compreendermos as coisas sobrenaturais.

 

Efésios 1:17: Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação.

 

Paulo tinha consciência de seu chamado missionário e de que era necessário anunciar o evangelho de Cristo por todos os lugares e para toda criatura.

 

Marcos 16:15: E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

Depois que saíram de Trôade chegaram em Filipos, a primeira cidade da Macedônia, levando em consideração a direção em que eles tomaram. Passaram alguns dias nesta cidade e no sábado procuraram um lugar à beira do rio, onde se costumava fazer orações. Ao chegarem pregaram sobre o amor de Jesus às mulheres que lá se encontravam.

 

É provável que em Filipos não houvesse templos ou sinagogas, por isso os judeus se encontravam aos sábados do lado de fora, nas proximidades do rio, pois com a água ficaria mais fácil realizar os ritos de purificação.

 

Foi naquele lugar que eles conheceram Lídia, uma mulher de Tiatira que era vendedora de púrpura. Tiatira era uma cidade da Ásia conhecida pela produção de telas de cor púrpura. Geralmente eram materiais caros comprados por pessoas ricas. Por isso, acredita-se que Lídia era uma mulher de boa situação econômica.

 

Pelo texto, entendemos que Lídia não era judia, mas temia a Deus e por isso servia ao Senhor. Ela, lá mesmo, foi batizada juntamente com toda sua casa. A bíblia diz que ela ficava muito atenta as palavras de Paulo. Lídia nos ensina, com esta atitude, que é muito importante buscar ao Senhor e conhecê-lo por meio de sua palavra. Temos que aproveitar enquanto é possível.

 

Isaías 55:6: Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto.

A partir do momento que ela conheceu e aceitou a Jesus como seu Salvador, passou a buscar as coisas do alto.

 

Colossenses 3:1: Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus.

Lídia também nos mostra que devemos acolher as pessoas que fazem o trabalho de Deus, como missionários. Ela os convida para ficarem em sua residência enquanto estivessem naquele lugar. Essa atitude de Lídia mostra que quando nos transformamos em novas criaturas temos o desejo de ajudar na obra de Deus. Você está ajudando?

 

Infelizmente, muitos os que se dizem crentes esquecem desta parte, a de colaborar com a obra do Senhor, ajudando as pessoas que dedicam toda sua vida para que o reino de Deus seja anunciado. Muitos, inclusive, não só não ajudam como já largaram essa boa obra, trabalhando e colaborando até muito mais na esfera secular do que na espiritual.

 

Lucas 9:62: E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.

Devemos lembrar que colheremos os frutos de acordo com o que estamos plantando.

 

Gálatas 6:7: Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.

Em um momento em que foram para a oração, se depararam com uma jovem que, segundo a bíblia, tinha “espírito de adivinhação” ou “espírito de pitão”. Pitão era uma serpente que de acordo com os ditos da época era a guardiã do oráculo de Delfos na Grécia.

 

O trabalho dessa jovem era adivinhar coisas relacionadas a vida das pessoas que pagavam para isso. Esse trabalho rendia muitos lucros para os senhores que a contratavam.

 

Ela passou a seguir Paulo e os outros e ainda clamava dizendo: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo”. Ela fez isso por vários dias, até que Paulo, perturbado com esta situação, voltou em direção da jovem e expulsou o espírito demoníaco que estava a possuindo. Ele ergueu a mão em sua direção e disse: “Em nome de Jesus Cristo, te mando que saias dela”. E na mesma hora saiu.

 

Podemos notar que claramente essa mulher era usada por um espírito demoníaco para realizar essas proezas de adivinhações. Por meio de Paulo, Deus demonstra mais uma vez que o mal não suporta seu poder, o império de satanás está aquém da sua soberania.

 

Lucas 4:36: E veio espanto sobre todos, e falavam uns com os outros, dizendo: Que palavra é esta, que até aos espíritos imundos manda com autoridade e poder, e eles saem?

Podemos destacar, além disso, outra coisa bastante interessante nesta situação. Em nenhum momento Paulo necessitou tocar na mulher, nem fazer coisas espetaculares, chamando a atenção das pessoas. Apenas com o poder da palavra no nome do Senhor Jesus foi o suficiente. Temos que aprender que não realizamos prodígios nem expulsamos demônios ou curamos. Somos apenas usados por Deus para a realização desses atos. O nome do Senhor é que tem poder.

Mateus 8:16: E, chegada a tarde, trouxeram-lhe muitos endemoninhados, e ele com a sua palavra expulsou deles os espíritos, e curou todos os que estavam enfermos.

 

Depois que o espírito de adivinhação saiu da mulher ela não mais poderia dar lucros aos seus senhores. Por esse motivo tramaram contra Paulo e Silas e os prenderam. Levaram os dois para a praça, na presença dos magistrados e os acusaram de práticas que não condiziam com os costumes daquele povo. Além disso, alegaram que Paulo, Silas e os outros, sendo judeus, estavam perturbando na cidade.

 

Após as acusações a multidão se levantou contra eles e os magistrados mandaram castigar Paulo e Silas com açoites de varas. Diferentemente dos castigos judaicos, que ocorriam com chicotes, os de Roma previam açoites com varas. Muitas vezes os castigos eram tão severos que os acusados morriam durante o castigo. Daí poderemos imaginar o quanto Paulo e Silas sofreram. Depois de receberem muitos açoites, Paulo e Silas foram levados a prisão.

 

Ao ler sobre essa passagem de Paulo e Silas, podemos nos perguntar por que eles sofreram tudo isso, apenas por estarem fazendo a obra do Senhor? Esse sofrimento, porém, não abalou a nenhum dos dois, pois sabiam das palavras de conforto de Jesus. Eles sabiam que em Cristo venceriam.

 

João 16:33: Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.

Romanos 8:37: Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.

 

Salmos 126:5: Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.

 

Salmos 30:5: Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.

 

Gálatas 2:20: Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.

Quando Paulo e Silas se encontravam presos no cárcere, amarrados a troncos, falavam sobre o amor de Deus aos outros presos. Além disso, cantavam louvores a Deus. Que coisa maravilhosa! Será que somos assim? Ou por qualquer motivo perdemos as forças e não temos mais vontade de adorar?

 

Durante a noite inteira Paulo e Silas pregaram e cantaram. Ao chegar perto da meia noite, de repente, sobreveio um grande terremoto e as grades e alicerces começaram a se estremecer, assim como as portas se abriram e todas as celas ficaram abertas.

 

Quando o carcereiro acordou, achou que todos os presos tivessem fugido. Como ele era o responsável por aquela prisão e sabia da punição que sofreria, tirou a espada da bainha e quando estava prestes a ceifar sua própria vida, Paulo gritou dizendo que todos estavam naquele lugar e que ninguém havia fugido.

 

Naquele momento, o carcereiro se prostou diante de Paulo e Silas perguntando o que deveria fazer para se salvar. Certamente, antes de dormir, ele deveria ter escutado as palavras e os louvores de Paulo e Silas e isso fez com que a mensagem chegasse ao seu coração. Paulo respondeu ao homem que se ele cresse no Senhor Jesus, tanto ele quanto sua casa seriam salvos. Naquela mesma noite o carcereiro e seus familiares foram batizados.

 

Logo pela manhã os magistrados mandaram quadrilheiros anunciar que Paulo e Silas estariam livres. Paulo, porém, replicou alegando que eles foram açoitados e humilhados publicamente, mesmo sendo romanos, e agora, de forma silenciosa, queriam os soltar. Paulo como bom conhecedor das leis sabia que era proibido o castigo de açoites para cidadãos romanos.

 

Paulo não aceitou a liberdade desta forma. Disse aos quadrilheiros que os magistrados deveriam ir até o cárcere para os soltá-los. Por causa dessas palavras, os quadrilheiros ficaram temerosos, pelo fato de ficarem sabendo que eram romanos. O mesmo ocorreu com os magistrados que suplicaram para que Paulo e Silas pudesse sair da cidade. Saindo da prisão, Paulo e Silas foram até a casa de Lídia. Lá eles se despediram dos irmãos, os confortaram e partiram.

 

CONCLUSÃO

 

Por meio desde estudo sobre a jornada missionária de Paulo e Silas, que acabou os levando para a prisão, compreendemos que ser anunciantes do evangelho da salvação não é fácil. São vários motivos que podem nos impedir de fazer o ide do Senhor. Dentre eles poderemos destacar os ataques de Satanás e de seus seguidores. Além disso, existe nossa pré-disposição a não sairmos de nossa zona de conforto.

 

Por isso devemos vigiar e orar para que Deus nos proteja, nos der intrepidez e coragem para realizar sua vontade, pois sabemos que é a melhor. Que possamos compreender que mesmo diante de todas as dificuldades, Ele sempre estará conosco.

 

Espero que este estudo sobre Paulo e Silas tenha sido de grande valia para sua vida espiritual. Para mais estudos como esse acesse a home do nosso site, aqui.

 

Que Deus te abençoe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *