PREGAÇÃO PARA O ANO NOVO

Compartilhe este estudo bíblico

TEXTOS: Marcos 2:18-22

 

Marcos 2:18-22: Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam; e foram e disseram-lhe: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, e não jejuam os teus discípulos?
E Jesus disse-lhes: Podem porventura os filhos das bodas jejuar enquanto está com eles o esposo? Enquanto têm consigo o esposo, não podem jejuar;
Mas dias virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão naqueles dias.
Ninguém deita remendo de pano novo em roupa velha; doutra sorte o mesmo remendo novo rompe o velho, e a rotura fica maior.
E ninguém deita vinho novo em odres velhos; doutra sorte, o vinho novo rompe os odres e entorna-se o vinho, e os odres estragam-se; o vinho novo deve ser deitado em odres novos.

Amados irmão, estamos vivenciando um novo ano e é bastante salutar refletirmos sobre uma temática associada a mudança, a renovação e ao novo. Não só o ano será novo, mas muitas outras coisas em nossas vidas poderão se tornar novas. É nesse contexto que traremos uma meditação sobre o novo em nossas vidas.

 

Você já percebeu que existem pessoas que não conseguem se adaptar às mudanças? Elas muitas vezes, são aversas às coisas novas. Não gostam de mudar seus costumes seus hábitos e rotinas. Será que isso é uma coisa ruim? Vai depender de que contexto estamos falando.

 

Se a dificuldade de mudança estiver relacionada aos bons costumes, isso não é um problema. Se você faz as coisas certas, não mude. A questão que quero tratar aqui não está relacionada a esse ponto de vista. Muito pelo contrário, gostaria de mostrar o quanto é positivo o olhar voltado às mudanças, sobretudo para a novidade de vida de estar com o Senhor nosso Deus.

 

As pessoas precisam compreender que Deus está vinculado a compreensão de renovação. O velho é que está associado ao diabo e ao pecado. As coisas velhas é que devem passar para que o novo em Cristo possa estar presente em nossas vidas.

 

2 Coríntios 5:17: Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

Deus é eterno, fiel e suas misericórdias se renovam a cada dia, por meio dEele estamos sempre nos renovando. Esse é um grande motivo para renovar as nossas vidas a cada manhã que nos levantamos da cama.

 

Lamentações 3:22,23: As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade.

 

Jesus estava sendo indagado pelos fariseus a respeito do jejum. Eles perguntavam por que os discípulos de Jesus não estavam jejuando, enquanto os de João o faziam. O mestre respondeu que aquele momento era um novo tempo e que uma nova e eterna aliança estava sendo feita.

 

Se você observar a bíblia, muitas alianças foram feitas entre Deus e os homens. Nestas, o Senhor sempre escolhia uma pessoa para ser o símbolo da aliança. Foi assim com Adão, Noé, Abraão, Moisés e outras em que o Deus erguia alguém para mostrar ao povo que estava com ele. Contudo, a aliança derradeira, foi feita com Jesus, pois ela é eterna.

 

Hebreus 7:22: Jesus tornou-se, por isso mesmo, a garantia de uma aliança superior.

 

Hebreus 8:6: Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas.

 

Lucas 22:20: Da mesma forma, depois da ceia, tomou o cálice, dizendo: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado em favor de vocês.

Jesus, em suas palavras direcionadas aos fariseus, também falou que não era necessário que os seus seguidores jejuassem porque o noivo já estava com eles. Porém, quando Ele partisse, deveriam voltar a fazer novamente essa prática. Isso demonstra que quando temos convicção de que Jesus está conosco, deixamos de fazer coisas que não há necessidade de serem feitas.

 

Quando ainda não conhecemos a Jesus, fazemos coisas que não valem apena ou que não agradam a Deus. Os fariseus estavam apegados apenas a aliança antiga, a dos sacrifícios. Outra coisa que muitos fazem é se martirizarem por causa dos pecados que cometeram antes de aceitarem a Jesus, por isso acabam fazendo sacrifícios de punições.

 

Isaías 43:18,19: Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas.
Eis que faço uma coisa nova, agora sairá à luz; porventura não a percebeis? Eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo.

 

Jesus nos proporciona um novo onde a misericórdia é muito mais importante do que os sacrifícios.

 

Mateus 9:13: Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.

O mestre também fez algumas relações com o vinho. É interessante averiguarmos as diferenças entre os vinhos para que possamos compreender as palavras de Jesus naquele momento. Na época dos discípulos existiam três tipos de vinhos: o novo, o velho e o misturado.

 

O VINHO NOVO

 

O vinho novo, possivelmente, era a bebida mais consumida da época. Ela era feita da uva que era pisada no lagar. Esse vinho era fresco e nele não continha misturas. Como ainda era muito novo, não passava pelo processo de fermentação.

 

VINHO VELHO

 

O vinho velho é aquele que passa pelo processo de fermentação. Ele era guardado em odres, por vários dias, para que a fermentação ocorresse e o vinho apresentasse um teor alcoólico razoável. Alguns eram apenas feitos com o vinho novo guardado. Esse apresentava um teor alcoólico muito baixo. Outros eram feitos com o acréscimo de fermento, para que apresentasse um teor maior.

 

VINHO MISTURADO

 

O vinho misturado é aquele que apresenta um grau alcoólico maior do que o fermentado, porque a ele é adicionada uma bebida alcoolizada. Essa bebida é a que mais embriagava as pessoas daquela época. Era dela que mais as pessoas consagradas ao Senhor deveriam se afastar.

 

Agora que sabemos as diferenças entre os tipos de vinho, poderemos compreender algumas coisa. É interessante observar que o fermento, quando se examina as escrituras, está associado aos próprios fariseus. Por isso Jesus alerta para evitarmos esse fermento e, assim, sermos “novas massas”.

 

Marcos 8:15: E ordenou-lhes, dizendo: Olhai, guardai-vos do fermento dos fariseus e do fermento de Herodes.

1 Coríntios 5:7,8: Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.

Está mais do que claro que Jesus quer que sejamos novos. Ele quer nos renovar com seu sangue, que representa o vinho novo.

 

1 Coríntios 10:16: Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?

Observemos também a relação que Jesus faz com as odres. Só para entendermos melhor, odre era uma espécie de bolsa feita de couro de animal que era utilizada para armazenar alguma bebida que seria levada em uma viagem. Quando Jesus dizia que não dava para armazenar vinho novo em odres velhas, Ele quis dizer que depois que o vinho começasse a fermentar, com a liberação de gases, a odre romperia, pois não aguentaria a pressão. Sem falar no gosto do vinho, que ficaria ruim.

 

Essa odre velha representa nossa carne, que é frágil. Precisamos deixar de lado seus desejos para que possamos viver em Cristo. Então, assim como a odre velha não suporta um vinho novo, em uma carne fraca não habita o Espírito Santo de Deus. Portanto, vigiemos para não cairmos nas tentações da carne.

 

Marcos 14:38: Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.

Sabemos que não é fácil abdicar das coisas que nos dão prazer. Mas, é necessário que isso seja feito para que possamos viver em Cristo.

 

Gálatas 2:20: Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.

 

Se não estivermos conseguindo, oremos porque se dermos lugar apenas aos desejos da carne, certamente não entraremos no reino dos céus.

 

Lucas 22:40: E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação.

 

1 Coríntios 15:50: E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção.

Assim como a analogia do vinho, Jesus utilizou a das veste para alertar ao povo da necessidade de nos revestirmos com o novo. Ele disse que uma roupa velha não se tornará nova com um remendo novo. É extremamente necessário que estejamos com nossas vestes espirituais renovadas.

 

Apocalipse 7:14: E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.

Se analisarmos a passagem do filho pródigo, perceberemos que ele recebeu novas vestes, pois estava morto e reviveu, ou seja, passou a ter uma nova vida.

 

Lucas 15:22-24: Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

CONCLUSÃO


Sabemos que a chegada do ano novo pode trazer alguns receios pelo que pode vir. As vezes temos dificuldade de compreendermos o novo. Que neste novo ano que chega tenhamos a convicção da necessidade de renovar nossa aliança com Deus. Que não nos deixemos ser contaminados pelo fermento do pecado. Muito pelo contrário, que possamos nos consagrar por meio do vinho novo, que simboliza o próprio sangue de Cristo. Que nossas vestes espirituais possam estar limpas para que o Espírito de Deus esteja conosco. Desejo a todos um feliz ano novo.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *